Base Educom
Base Educom
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

EDUCA EM 7: COMUNICAÇÃO E CONTEÚDO PARA VESTIBULANDOS NO INSTAGRAM

EDUCA EM 7: COMUNICAÇÃO E  CONTEÚDO PARA VESTIBULANDOS NO INSTAGRAM
Gabi Zauith
jun. 23 - 12 min de leitura
000

Texto escrito pela Profa. Dra. Gabriella Zauith, pelas alunas Luiza Vitoria Marchi QueluzMaria Eduarda CubasMayla Shiva Gribl Souza e pelos alunos Victor Hugo Flamino ConteVinícius Pires Proença

 

Alunos de jornalismo produziram no ano passado o IG @educaem7 sobre Educomunicação, contendo dicas para estudantes que irão prestar o ENEM. O trabalho fez parte da disciplina Edumídia, do curso de Jornalismo do Centro Universitário Barão de Mauá, com alunos do então do 3° semestre. 

A disciplina ocorre desde 2014 e trabalha com projetos de intervenção, como prática educativa que aproxima o aluno de jornalismo à área de educação, a exemplo das novas diretrizes do ensino médio na Base Nacional  Comum  Curricular, no componente da língua portuguesa. O estudo da disciplina é baseado na educomunicação, área de atuação de professores de comunicação em ambientes de educação formal, como também informal e não-formal. O objetivo é aproximar os alunos de jornalismo às necessidades dos alunos do ensino básico, visto a demanda das escolas em trabalhar com projetos de comunicação, redes sociais e informação. 

A importância para o aluno de jornalismo é muito grande, pois tem a oportunidade de exercer sua função intelectual de produtor e difusor de informações e conhecimentos de interesse para a cidadania, além de dominar linguagens midiáticas e formatos discursivos aplicados a outras audiências, no caso, escolas. Trata-se de uma nova área de trabalho, pesquisa e engajamento  em  projetos  de  responsabilidade  social. Ao final da disciplina, os alunos trabalham com planejamento de projetos de educomunicação, destinados às escolas, comunidades e terceiro setor. 

 

Ensino na pandemia

A disciplina, iniciada em meados de março de 2020, logo se converteu para o ensino remoto, devido a pandemia da covid-19. A partir de uma pesquisa de temas, chegou-se à elaboração de um IG com dicas e informações de redação, jornalismo, literatura e entrevistas, com base nos interesses e habilidades dos próprios alunos. A produção se deu de forma 100% remota no portal acadêmico da faculdade, com encontros semanais via videoconferência. 

O objetivo é que o aluno do ensino fundamental e médio se aproprie do conteúdo educativo sobre o ENEM, em um formato que lhe é familiar, com uma linguagem e estética das redes sociais, como o Instagram. Por outro lado, o momento de isolamento social trouxe um agravamento da desigualdade social para o acesso às tecnologias de educação por alunos do ensino básico, sendo as redes sociais a forma mais comum de consumo de informações.

Este relato apresenta o planejamento, produção e criação. Os alunos definiram o nome do IG, as editorias, realizaram pesquisa de conteúdo, formularam pautas, fizeram contato com fontes de informação e entrevistas. Também criaram o design gráfico, com padronização de artes, cores, fontes, propostas de apresentação, planejamento de publicação e divulgação e hashtags. Bem como o texto das legendas incluindo referências usadas. Fizeram edição dos vídeos das entrevistas, produção de stories e destaques. O IG está aberto ao público e pode ser compartilhado nas redes sociais. 

 

Conteúdo:

16 postagens em 5 editorias

a) Leitura Crítica da mídia

Editoria explorando temáticas que envolvam os meios de comunicação e fontes de informação: Mídia e Jornalismo; Mídias de informação analógica e digital: Impresso, rádio, televisão e mídia digital; Fake news: desinformação  e checagem de fatos; Fontes confiáveis de notícias: apuração, fontes de informação e credibilidade.

b) Redação Nota Mil:

Editoria com dicas para cada uma das etapas do processo de escrita de uma redação. Conteúdo: Como fazer a introdução da redação do Enem; Como fazer o desenvolvimento da redação do Enem; Como fazer a conclusão da redação do Enem; Dicas para usar na redação: uso de dados de textos motivacionais, referência cultural, uso dos porquês, e do senão/se não.

c) Dicas de Leitura

Editoria com dicas de leitura de livros para o ENEM. Conteúdo: Sagarana, de Guimarães Rosa, com sinopse e  template de leitura dos contos; Vidas Secas, de Graciliano Ramos, com sinopse e template de leitura dos capítulos.

d) Atualidades e temas de Redação

Editoria para abordar assuntos que estão em alta e que possam ser pertinentes nos vestibulares. Conteúdo: SUS; Obesidade e Sedentarismo; Educação e pandemia da Covid-19; Videogames e jovens na pandemia da Covid-19.

e) Bate-papo (IGTV)

Editoria de entrevistas realizadas por meio da ferramenta IGTV de vídeos do Instagram. Conteúdo: Entrevista com Luiza Araújo, do Canal Comunicólogos; Entrevista com Níkolas Guerrero, do Canal Comunicólogos.

 

Relatos: planejamento e criação

“Após conversar com os meus colegas sobre qual seria o conceito do nosso projeto, pensei, como éramos sete alunos na época, “Educa em 7” seria como “educação em 7 passos”, já que cada um de nós iríamos produzir algum conteúdo. Já o logotipo foi ideia da Maria Eduarda, que uniu o conceito colorido das postagens criado pela Luiza com o nome do projeto. Falando na Luiza, foi ela a executora e quem sugeriu criarmos uma identidade visual particular de cada tema, com uma cor para cada assunto e uma “capa” antes da postagem que estabelecesse um padrão entre todas as etapas do projeto, e eu achei que foi um grande acerto da nossa parte”. (Mayla)

“As postagens possuem identidades visuais diferentes, já que cada aluno teve a liberdade de criar como gostaria, mas um ponto presente em todos os posts foram as cores escolhidas para cada tema. Azul para literatura, amarelo para as dicas de redação, roxo para análise da mídia, laranja para atualidades e verde para vídeos. Cada aluno ficou com um dia da semana para fazer a postagem. Os conteúdos foram apresentados para a professora com antecedência que aprovou ou pediu alterações nas artes e legendas. Depois disso, cada aluno postou seu conteúdo no dia marcado”. (Maria Eduarda)

 

Avaliação 

“Para mim, a melhor parte foi conhecer mais a fundo alguns clássicos da literatura brasileira e suas histórias. Além de aprender também sobre a trajetória dos autores ao ler suas biografias para entender melhor qual era o seu tipo de escrita. Acredito que o @educaem7 tem extrema importância para integrar aos jovens, que estão sempre conectados às novas tecnologias, a uma forma mais didática de aprender. Aquela que sai dos livros, que interage aos novos meios tecnológicos inseridos na sociedade, se adaptando e se reinventando. Se todos saíssem do comum, e tentassem se adaptar a novos estilos, talvez o estímulo do aprendizado pudesse crescer. Porque ninguém consegue tirar a tecnologia do jovem. Mas, nós podemos trazer conhecimento a essa tecnologia, visando espalhar o saber didático e interativo”. (Luiza)

“O objetivo do @educaem7 era de transmitir conhecimento e informação através da comunicação e dos meios de comunicação, que no nosso caso a escolha foi o Instagram. Tendo em vista todo o conceito de edumídia e educomunicação que fomos aprendendo ao longo da disciplina, vimos que podíamos passar esse conhecimento de uma forma simples e acessível, que chegasse para todos os tipos de classe social.  Para os alunos que fizeram o projeto, a importância foi aprender, buscar algo e depois transmitir esse conhecimento adquirido para outras pessoas, sempre pensando na questão da educação e de educar enquanto jornalistas e comunicadores. Acredito que para quem teve acesso ao conteúdo, a importância foi de ter acesso a conhecimento de forma simples e fácil, com um linguagem leve e compreensão facilitada. No projeto eu fiquei responsável pela parte de dicas de redação, já que o foco das minhas postagens eram alunos do ensino médio que iam prestar vestibular. A ideia veio de uma atividade que eu já fazia antes para um amigo da minha irmã. Ele precisava de ajuda com a redação e eu fiquei mais do que feliz em ajudá-lo. Vendo quais eram suas dificuldades, eu dividi o conteúdo das postagens de acordo com as partes de uma redação: introdução, desenvolvimento, conclusão e um bônus, que eram algumas dicas. A parte que eu mais gostei foi de disponibilizar o conteúdo para outras pessoas. Lembro que eu não fui muito bem na redação no meu ano de vestibular e saber que o que eu passei pode ter ajudado alguém me deixa extremamente satisfeita comigo mesma. Espero ter feito a diferença na vida de alguém com o conteúdo que transmite. Para mim, o projeto foi importante para me mostrar de forma prática o quão importante é o papel de um educomunicador e de um jornalista na questão da educação do nosso país. O jornalista além da sua função "padrão" de notificar e informar a população, também pode ser um fator importante e decisivo na educação e futuro do Brasil. Da minha parte, que foi a redação, sei que o que eu postei e o trabalho que continuei fazendo com o menino que eu estava ajudando fizeram diferença. Eu vi uma melhora gradual nas redações dele e, mesmo que no final eu não tenha acompanhado todo seu progresso, sei que ele foi bem no Enem e conseguiu vaga em uma faculdade federal, mas optou por uma faculdade particular por causa de localização e outros fatores”. (Maria Eduarda)

“Após a apresentação de seminários em 2020 para a disciplina de Edumídia, onde cada um pensou em um projeto particular, começamos a discutir o que faríamos como um grupo e que unisse o interesse e conhecimento prévio de todos. Sendo assim, como todos passamos recentemente pela experiência do vestibular, logo essa ideia surgiu ao concordarmos que falta na internet perfis da área da comunicação voltados para este público em específico. Após nossos estudos, concluímos que como comunicadores em formação poderíamos contribuir muito para esse público-alvo. A justificativa é democratizar o acesso a conteúdo de vestibular gratuitamente através das plataformas digitais, que possuem um grande alcance e podem atingir um maior número de estudantes, inclusive aqueles que não possuem condições estruturais ou financeiras de fazer um cursinho vestibular, por exemplo. Claro que não substitui o ensinamento em aula, mas o @educaem7 vem como um complemento com dicas não apenas do que estudar, mas como estudar, servindo como um material de suporte e pesquisa online para os alunos que buscam nas mídias conteúdo educativo. Meu conteúdo é referente à “análise crítica da mídia” e “fontes de informação”, e tem como intuito introduzir noções básicas sobre mídia, como identificar e combater fake news, listar fontes confiáveis de notícias, etc. A ideia surgiu baseada nas minhas experiências prévias lecionando em sala de aula, uma vez que eu sou professora voluntária de atualidades em um cursinho popular. Então, pensando no que eu já desenvolvi com as minhas turmas de vestibulandos, resolvi adaptar para a plataforma digital os conceitos mais pertinentes de crítica da mídia para um estudante saber como buscar informação de qualidade e da melhor forma, entendendo o processo midiático envolvido nessa área da educação. Eu valorizo e participo de muitas pautas relacionadas a movimentos sociais e educação, e agregar esses meus ideais em um projeto tão democrático e acessível foi muito gratificante. Não apenas o @educaem7, mas a disciplina de Edumídia como um todo alimentou ainda mais o meu carinho pelo uso da comunicação como ferramenta transformadora, ao ponto de que hoje desenvolvo uma Iniciação Científica também voltada para a educação em sala de aula e estudos da mídia. Eu compartilhei o perfil do @educaem7 com os meus alunos do cursinho, e foi muito recompensador receber não apenas o feedback deles, mas saber que eles usavam o perfil como um meio de suporte ao que aprendiam em sala de aula. Acredito que mesmo que em um nível pequeno, fomos bem sucedidos em atingir o nosso público-alvo, atingindo esses vestibulandos. Então como um todo, o retorno foi extremamente positivo. (Mayla)


Denunciar publicação
    000

    Indicados para você